Respostas ( 4 )

  1. Olá Marta 🙂
    Eu estou agora no último ano do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica (na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa) e as engenharias sempre me interessaram porque ensinam-te a pensar, desenvolvem o teu pensamento analítico, de trabalho em equipa, capacidade de resolução de problemas, raciocínio estruturado, etc., independentemente da engenharia! É essencialmente “a arte de saber desenrascar” e dá-te bases mais sólidas para depois aprofundares conhecimentos na área específica que te interessar mais. No meu caso foi Engenharia Biomédica porque achei o curso bastante transversal (aprendi e continuo a aprender um bocadinho de tudo), estava muito indecisa porque gostava de várias coisas e foi uma maneira de poder continuar a explorar várias áreas da ciência e tecnologia, que agora estou a aplicar na área da saúde que sempre me interessou também. E se mais tarde decidir seguir outro percurso sei que a maioria das competências que aprendi nos últimos 5 anos (provavelmente mesmo todas) são transferíveis para outras áreas.

    Quanto ao estudo, quantidade não é qualidade! Não interessa estudar mais se o método que estiveres a usar não for o mais adequado para ti, significa que em vez de trabalhares mais precisas de trabalhar melhor. A minha sugestão é experimentares outros métodos de estudo 🙂 Eu sempre gostei de fazer mega-resumos com esquemas em folhas A3: uma semana antes de cada teste preenchia uma folha A3 com o essencial da matéria e ia revendo tudo ao longo da semana com colegas e familiares respondendo a perguntas, acho que quando estás à vontade o suficiente para explicar o que aprendeste a outra pessoa significa que conseguiste compreender mesmo o conceito e a partir daí resolver testes/exames fica um bocadinho mais fácil. Nunca gostei de “decorar” coisas (sempre gostei mais de raciocínio lógico e dedutivo) mas quando é necessário costumo adaptar letras de músicas para decorar a matéria cantando a música na minha cabeça, e arranjar mnemónicas para tudo! Estes são alguns dos métodos que funcionam muito bem para mim, tu tens de descobrir aquilo que funciona melhor para ti (todos aprendemos de forma diferente)! Também podes pedir ajuda aos teus professores, que te podem indicar melhor quais os teus pontos fracos e dar sugestões/apoio para conseguires alcançar os resultados que queres (todos temos pontos fracos que precisamos de melhorar, e pontos fortes que precisamos de saber aproveitar).
    O importante é não desistires! 😉

  2. Olá Marta! Eu escolhi engenharia porque quando estava no secundário gostava bastante de física e de matemática e identificava-me com o tipo de raciocínio objetivo e exato dos problemas e arranjar soluções práticas. Mas tive sempre algumas dúvidas relativas ao que seria exato “engenharia” e acaba por ser bases que aprendes para conseguires através de um raciocínio chegar a resolução de algo. Eu estudo Engenharia e Gestão Industrial na Universidade Nova de Lisboa e basicamente é uma engenharia bastante completa em que aprendo várias áreas desde engenharia física, química, eletrotécnica, mecânica, etc.Por isso, tenho uma visão de engenharia que será complementada com a parte de gestão industrial mais ligado à otimização de processos, questões logísticas, questões financeiras, entre outras.

    Relativamente às notas, eu sempre estudei muito no secundário e nem sempre as notas são como queremos, na faculdade aconteceu-me o mesmo às vezes correm bem outra vez menos bem, mas o importante é que tens sempre os exames em que podes melhorar. Nunca me passou na cabeça desistir por ter tirado alguma negativa, isso acontece, o importante é nunca pensar negativamente e que é “o fim do mundo”, muitas vezes sentia pressão dos meus pais mas quando explicava que tinha estudado bastante e que a cadeira era difícil ou assim eles percebiam e acho que é essencial manter esta verdade entre nós e os nossos pais porque sentia sempre aquela pressão de lhes agradar com as notas. Não deixes de escolher um curso que gostes por pensares que podes tirar más notas a uma certa cadeira por causa do secundário, são realidades muito diferentes. Eu tiro melhores notas agora que no secundário por desenvolvi melhor a minha capacidade de raciocínio que não tinha tanto no secundário.

  3. This answer is edited.

    Olá, Marta!

    Eu escolhi Engenharia Biomédica no IST porque queria seguir investigação sobre questões relacionadas com biologia e saúde, portanto não sou o caso mais típico mas sou um exemplo vivo de como a engenharia é diversificada. Aquando da escolha do curso, de entre todos os que existiam, este era aquele que conjugava não só possibilidades nas áreas em que tinha interesse, como também elevada empregabilidade em muitas outras vertentes, o que poderia vir a ser importante caso viesse a mudar de ideias quanto às minhas paixões. Agora que já terminei o curso, confirmo o meu interesse por investigação biomédica como escolha para o meu futuro próximo, e encontro-me a estagiar no Instituto de Medicina Molecular. Em retrospectiva, acho que apesar de o curso ter sido bastante difícil, ao seguir engenharia tive a oportunidade de experimentar várias temáticas distintas e assim confirmar os meus interesses e aprofundá-los.

    Quanto às notas, tal como a Sara referiu, é muito importante encontrares o melhor método de estudo para ti em particular. Por exemplo, eu preciso de uma “bolha” de silêncio para me conseguir concentrar de forma eficaz, logo sempre procurei espaços sossegados para estudar. Além disso, não tenhas receio de pedir ajuda e tirar dúvidas com professores, colegas, explicadores, etc. Por fim, se a engenharia é mesmo aquilo que desejas seguir, não te esqueças de que a resiliência é das características mais importantes para trabalhar em engenharia 🙂 Estas dificuldades por que estás a passar são um excelente treino para uma futura engenheira, pronta a resolver problemas! O essencial é continuares a “batalhar” sem desistir 😉

    Espero ter ajudado! Qualquer questão que tenhas, não hesites em perguntar 🙂

    Best answer
  4. Muito obrigada pelas vossas sugestões! Sinto que me ajudaram bastante e que vou adotar agora alguns metodos de estudo melhores. Quanto à engenharia, eu sempre quis fazer algo relacionado com física e com astronomia. Mas ao entrar no secundário entendi que os sonhos mudam e não há problema em isso acontecer. Talvez até siga engenharia física, ou então astrofísica como sempre quis!
    Obrigada pelo vosso tempo! 🙂

Leave an answer to Marta Florindo Kuesters